quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Sobre regulagens de asas (e casulos)!


Este assunto raramente alguém gosta de escrever, pois sabe dos riscos decorrentes de uma regulagem mal feita. Mas prefiro escrever o conceito básico no intuito de evitar que a falta de conhecimento possa resultar em regulagens mal feitas.


Como deixar a asa mais macia e "redonda" nas térmicas?

Objetivo: Fazer com que a asa "encaixe" facilmente na térmica e não fique caindo em faca para dentro das termais, reduzindo os movimentos de correção que o piloto precisa fazer (high siding).

Asas de ponta redonda (Ex.: Wills Wing e Moyes) possuem regulagem do copinho na ponta do Leading-Edge. Estes copinhos são responsáveis por deixar a tala flexível de fibra com a ponta mais pro alto ou mais pra baixo. Se a ponta estiver mais alta (como as pontas de asa de urubus) a asa ficará mais encaixada nas termais e mais macia, porém perderá um pouco de performance em alta velocidade. Se a ponta estiver mais baixa, a asa ficará caindo em faca nas térmicas. Uma ponta muito alta pode fazer com que a asa fique querendo sair das térmicas (cuspida da térmica) e fique até difícil de entrar na térmica lateralmente.

Deixar as talas que estão mais próximas da quilha (as 4 ou 5 maiores talas da asa) com pouca tensão deixará o comando da asa mais fácil e leve. O recomendado é que ao encaixar e tensioná-la, a pressão seja capaz de provocar um levantamento na curvatura da tala no bordo de ataque de uns 5 milímetros.

Outra coisa que influencia muito no comando da asa é a altura do casulo em relação à asa. Se você colocar seu casulo muito alto, o centro de gravidade ficará muito próximo da asa e você terá que fazer muita força pra comandar a asa. O ideal é tentar o mais baixo possível sem que comprometa seu movimento de comando. Isso influencia tanto que 2 cm mais baixo você achará que está voando outra asa (mais macia, claro). Tente regular para que na picada seu peito/barriga praticamente fique raspando no speedbar.


Como melhorar a performance nas tiradas (em alta velocidade)?

Objetivo: Fazer com que a asa tenha uma razão de planeio (L/D) melhor em alta velocidade e que consiga penetrar bem em situações de vento contra.

Na maioria das asas modernas, quando a marcha da asa é cassada, os recuperadores maiores (próximos da quilha) automaticamente são rebaixados e os (menores) são os que passam a atuar em alta velocidade. Quanto mais baixos os recuperadores de ponta, mais insegura e perigosa a asa ficará, sujeita a uma capotagem. Se a 70 Km/h sua asa possui muita pressão de barra, você pode experimentar retirar 1 volta do seu recuperador de mergulho de ponta e fazer um vôo de teste. Nunca reduza mais de uma volta entre um vôo e outro. Tente deixar sua asa regulada de forma que entre 70 e 75km/h (de marcha cassada) ela tenha um pouco de pressão de barra. Nunca deixe pressão de barra negativa!

O peso do piloto também influencia na performance e L/D da asa. Leia a especificação de peso que o fabricante informa para sua asa. Geralmente eles colocam a faixa (peso mínimo hook-in e máximo). Se deseja mais performance, divida a faixa de peso que o fabricante recomenda em 3 blocos e faça com que "seu peso+casulo+lastro" fique no terceiro bloco, mais próximo do limite máximo de peso aceito para a asa. Quanto mais pesado (sem exceder o limite máximo), mais a asa renderá nas tiradas (Alan, não esquecerei da covardia de Brasilia 2008 jamais)!

Sua posição em vôo e regulagem do casulo podem influenciar. Nas tiradas, tente manter o casulo alinhado com o horizonte ou um pouquinho com a cabeça pra baixo. Braços juntos ao corpo e poucos movimentos de correção, exceto os de velocidade p/ tentar voar na velocidade desejada em relação à massa de ar que está passando (acelerar nas descententes e reduzir velocidade nas ascendentes).



Em alta velocidade minha vela fica fazendo barulho e panejando nas pontas. Como tirar isso?

Objetivo: Elimitar os panejamentos que ocorrem de um os ambos os lados, pricipalmente nos 2 últimos gomos da ponta da asa.

Asas de ponta redonda (Ex.: Wills Wing e Moyes) possuem uma regulagem na alavanca que tensiona a tala flexível de fibra e também uma regulagem de tensão do bordo (esticador da vela que a prende no leading-edge).

Tensionar um pouco a vela pode reduzir este efeito. Se for mexer, solte o pino que trava a vela no leading-edge e marque com uma caneta a posição atual. Mexa de forma a tensionar apenas 3 milímetros e faça um test-fly. Faça sempre igual dos 2 lados.

Quanto à regulagem que existe no copinho de alumínio que existe no final da alavanca que tensiona a tala de fibra, não é muito intuitivo encontrar esta regulagem. Existe um parafuso que prende esta alavanca na vela. Solte o parafuso e remova a alavanca de dentro da vela com cuidado, pois existe uma pecinha concêntrica e arruelas que podem cair no chão. Você perceberá que esta pecinha não é simétrica e pode ser encaixada de 2 formas. Na Wills Wing, o que existe na verdade são 3 furos e você pode escolher qual dos furos será usado. Cada um deles dará mais ou menos tensão na tala de fibra. Isto evita que você precise serrar a tala de fibra (ou colocar uma maior) como era feito antigamente. Faça testes (sempre fazendo igual dos 2 lados) e veja qual posição reduziu mais o panejamento da vela em alta velocidade.


Como faço para minha asa ser macia nas térmicas, ter performance e ser segura?

Lamento informar, mas quase todas as regulagens possuem correlação entre si.
Mais performance => menos segurança
Mais macia => pior rendimento

Defina seu estilo de vôo e regule a asa de forma que te atenda da melhor forma, ou regule a asa conforme seu objetivo no vôo. Em vôos de distância e de longa duração, a maioria dos pilotos preferem asa macia do que performance. Em competições e voando na bombação, aceita-se uma asa mais dura, mas andando bem em alta velocidade.

Fica aqui a dica de como nossas Wills Wing T2 estão reguladas:

Copinho da tala de fibra: 1 ponto a mais na regulagem, colocando a ponta mais alta, ou seja, mais macia do que a regulgem de fábrica que geralmente vem no zero. Priorizamos o vôo de XC.

Recuperadores de alta velocidade (menores): relativamente baixos, ao ponto de manter pressão de barra a 75 km/h.

Recuperadores de baixa velocidade (maiores): acompanhando a relação existente entre os recuperadores de alta velocidade, conforme o que o manual informa. Medir também com a marcha toda cassada (vide dica abaixo sobre o manual da T2).

Furo do CG na quilha que o hang-loop prende: isso é muito pessoal e varia um pouco de ano e modelo. Mais pra frente a asa fica mais fácil de comandar na térmica.

Peso do piloto: no "2/3" da faixa de peso recomendada pelo fabricante e usando lastro natural (cerveja, claro!)

Dica para regulagem da Wills Wing T2:


No manual da T2 (página 44) existe o padrão de fábrica para os recuperadores de dentro e os de fora. Você pode medir com uma cordinha entre as talas de cada lado e ver onde esta linha passa na quilha. Colocar um cavalete de cada lado da asa, levantando-a apenas pelo leading-edge (nas pontas, enconstando apenas no leading-edge) e com a asa toda cassada. A quilha deve sair do chão sozinha.

No manual, a medida padrão dos recuperadores de fora a linha deve passar 2 cm (na T2-144) ou 1 cm (na T2 154) abaixo do topo do tubo da quilha e usando a tala #3 (a tala de fibra é a #1) como referência pra cordinha.

Se rebaixar um pouco os recuperadores de ponta, tente acompanhar a relação dos recuperadores de dentro (de marcha cassada).




Bons vôos e fiquem a vontade para comentar, complementar e corrigir qualquer informação citada.

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Planador e parapente em voo (na Argentina)

Dia lindo, limpo e relativamente quente hoje aqui em Bariloche.

Um moto-planador e um parapente ficaram sobrevoando a pista de Ski.

As maquinas voadoras me perseguem...

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Da secura de Brasilia direto para o gelo de Bariloche

Depois de 8 dias de vôo em Brasília DF, estou "pagando os pecados" aqui na Argentina. O Cedrick ficou "segurando as pontas" enquanto curto esta vida ruim.


Menos neve que o ano passado, mas os picos estão um show!



Vôos-duplos de parapente decolam também nesta época com os turistas.

Os maus hábitos não mudam...



No primeiro dia, 7 horas de Snowboard direto e os músculos continuam reclamando. Por que será?

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Brasilia 2008 foi espetacular

Este ano investimos forte no voo.

Conseguimos voar 8 dias em Brasilia, sendo 7 provas do campeonato Brasileiro e 1 voo "free fly".

Pela primeira vez nos inscrevemos em uma etapa do campeonato brasileiro e ficamos os 7 dias. Foi uma experiencia muito bacana e enriquecedora.

Foram 5 voos pousando no meio da esplanada dos ministerios em Brasilia e 3 ficando pelo caminho.

O resultado foi acima do esperado, onde Cedrick se classificou em 6 lugar e eu em 3 na categoria ascendente (exclui-se os pilotos elite do Brasil). No ranking geral, fiquei em 18 e Cedrick em 23. Eram 54 inscritos de todo o Brasil.

Foi uma das melhores temporadas em Brasilia, para nós, e voamos mais de 700 Km totalizando 22 horas no ar em 8 dias consecutivos.

Aos amigos e mestres, fica um abraco e agradecimento.

Aos pilotos que foram pela primeira vez a Brasilia tentar o tao sonhado voo para a esplanada, fica o parabens pelas conquistas tao almejadas.

sábado, 16 de agosto de 2008

Brasilia ultimo dia

Terminou hoje o campeonato Brasileiro em Brasilia DF.

Prova de 90,7 km e o dia estava animal.

Muitos chegaram na esplanada.

Eu forcei demais e pousei a 8 km da esplanada na borda do lago norte.

Cedrick esta na esplanada com dezenas de asas.

Voamos no Itiquira com 2 planadores. Enroscamos juntos e foi super legal.

Termais fortes, muitos dusts e farofa tirando de casulo aberto.

Obrigado senhor por mais esta temporada.

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

127 Km hoje em Brasilia

Esplanada cheia.

Amanheceu com umas nuvens altas (pequenos cumulus), e demonstrava um dia "animal".

Nao deu outra: farofa total!

Azulou na hora do voo, mas a condicao estava redonda.

Pelo parcial, cheguei em 4o lugar.

1- glauco df
2- nene rotor
3- ze gala
4-erick vils
5-cezar castro
6-lalado


O campanella chegou em segundo, mas ele perde 15% por estar voando uma rigida.

Cedrick tambem chegou, depois de sair de 80m em brasilinha.

O Enio chegou bem e fez um voo lindo.

A galera do free fly estava em peso aqui na esplanada quando chegamos apos os 127 km de voo.

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

113 Km de voo hoje

Prova de 113 Km de voo bem dificil.

Apenas 13 asas chegaram, dos 52 inscritos.

O Cedrick representou bem a familia hoje, completando a prova em 4h de voo.

Eu afundei no primeiro pilao.

Prova de hoje:
- start com raio de entrada de 17km do primeiro pilao
- primeiro pilao no trevo de barreirinhas - atras da rampa uns 24km
-trevo da floresta (traves quase contra-vento de 46km)
-luz vermelha (proximo estadio sobradinho)
-goal esplanada


Voo no azul novamente.

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Brasilia: 90 Km hoje com cirrus

Parecia um dia ruim.
Colocaram uma prova mais facil com apenas 90 km de voo.

Teto de 3.000m e tudo azul com uns cirrus.


Umas 20 asas ate o momento ja chegaram.

Consegui chegar entre os 15 primeiros e com este resultado devo cair pra 2 lugar no ascendente, pois fiquei surpreso ao ver hoje na rampa que eu estava em primeiro e nem sabia.

O Cedrick afundou e pousou em planaltina.

Apesar dos cirrus, hoje peguei a termica mais forte e constante de 6,5 m/s com picos de 8,8.

Prova do dia:
-Rampa
-brasilinha
-capelinha perto da estrela do vale do amanhecer
-arado da lagoa embrapa
-estadio de sobradinho
-goal na esplanada
89,7km

Nene e Andre Wolf quase juntos, depois Michel e Lalado juntos, Max, Marcinho e mais uma galera.





terça-feira, 12 de agosto de 2008

Prova de 121 Km hoje e Cedrick chega em 6o lugar

A prova de hoje foi fantástica.

Rápida e muito técnica, 121 Km de vôo com pelotões espalhados por todos os cantos da planície que leva até Formosa. Decisões cruciais fizeram 3 pilotos (André, John Duran e Glaugo Pinto DF) chegarem muito tempo antes dos demais.

Teto de 3.000m novamente, tudo azul, vento moderado a fraco e muitos dust devils.

Eu acelerei demais após o ultimo pilao (no KM 92) e dispensei a 800m uma termica de 2 m/s e me dei mal. Pousei com 92Km de vôo e não consegui completar a prova.

Pouco tempo depois passa o Cedrick sobre mim com altura e engatado indo a 3.000m sobre Sobradinho e fechando a prova em sexto lugar no geral, 5o no brasileiro e primeiro na categoria ascendente.


Prova de hoje:
-Rampa
-Aerop. Formosa
-Motel advance
-trevo formosa
-arado da embrapa
-Goal na esplanada

121 Km e alguns trechos de vento través.

Amanhã tem mais...enquanto isso o corpo sedentário reclama todos os dias!

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Prova de 112 Km e mais uma esplanada (segunda-feira)

Prova de 112km, teto de 3.000m, termicas fortes no planalto e turbulento no paredao da decolagem.


Tudo azul, me atrasei, mas consegui completar a prova em 12o lugar.


O Cedrick capengou na entrada do planalto e pousou precocemente.

3h de voo e algumas dores pelo corpo, mas como o terceiro dia de voo por estas terras eh o pior, amanha meu corpo sedentario se acostuma.

domingo, 10 de agosto de 2008

sábado, 9 de agosto de 2008

Varios na esplanada hoje (sabado)

Pousamos na esplanada agora.
Cerca de 2:20h de voo.

Teto nao muito alto e tudo azul.

Alguns dusts salvadores a 200m do chao.

Na foto, Erick, Cedrick, Alan e Fabio Nunes.

Cerca de 25 asas na esplanda e 2 parapentes.

Amanha comeca oficialmente o campeonato brasileiro.

Pouco vento ontem e somente 2 na esplanda (quinta-feira 8/ago)

Calor e pouco vento ontem.

A asa que eu vi chegar na esplanada era o John Duran da australia. O outro que chegou foi o Gilson de Nova Iguacu/RJ.

Parece que pouco vento nao colabora muito por aqui.

Estamos a caminho da rampa com tudo azul e um pouco mais de vento leste (perfeito) do que ontem, mas nao esta ventao, nem avistamos dust devils ainda.


Muita gente veio e o hotel Garvey esta cheio de voadores.

Os argentinos que vieram de tucuma, catamarca e cordoba. Os paulistas, cariocas, gauchos e o Thalis pra representar os nordestinos bem humorados.

Pousos enormes, como sempre.

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Chegamos em Brasilia

Chegamos hoje em Brasilia, DF.
Amanha estaremos voando no vale do paranã, com objetivo de pousar na esplanada dos ministerios, ou estender um pouco mais o voo na rota "Pirenopolis (GO)".

Tudo seco, como sempre.